Se alguém vos bater na face direita, apresentai-lhe também a outra

Capítulo XII – Amai os vossos inimigos

Se alguém vos bater na face direita, apresentai-lhe também a outra

7. Aprendestes que foi dito: olho por olho e dente por dente. – Eu, porém, vos
digo que não resistais ao mal que vos queiram
fazer; que se alguém vos bater na face direita, lhe apresenteis também a outra; – e que se
alguém quiser pleitear contra vós, para vos tomar a túnica, também lhes entregueis o
manto; – e que se alguém vos obrigar a caminhar mil passos com ele, caminheis mais
dois mil. – Dai àquele que vos pedir e não repilais aquele que vos queira tomar
emprestado. (S. MATEUS, cap. V, vv. 38 a 42.)

8. Os preconceitos do mundo sobre o que se convencionou chamar “ponto de honra”
produzem essa suscetibilidade sombria, nascida do orgulho e da exaltação da personalidade,
que leva o homem a retribuir uma injúria com outra injúria, uma ofensa com outra, o que é
tido como justiça por aquele cujo senso moral não se acha acima do nível das paixões
terrenas. Por isso é que a lei moisaica prescrevia: olho por olho, dente por dente, de harmonia
com a época em que Moisés vivia. Veio o Cristo e disse: Retribui o mal com o bem. E disse
ainda: “Não resistais ao mal que vos queiram fazer; se alguém vos bater numa face,
apresentai-lhe a outra.” Ao orgulhoso este ensino parecerá uma covardia, porquanto ele não
compreende que haja mais coragem em suportar um insulto do que em tomar uma vingança, e
não compreende, porque sua visão não pode ultrapassar o presente.
Dever-se-á, entretanto, tomar ao pé da letra aquele preceito? Tampouco quanto o
outro que manda se arranque o olho, quando for causa de escândalo. Levado o ensino às suas
últimas conseqüências, importaria ele em condenar toda repressão, mesmo legal, e deixar
livre o campo aos maus, isentando-os de todo e qualquer motivo de temor. Se se lhes não
pusesse um freio as agressões, bem depressa todos os bons seriam suas vítimas. O próprio
instinto de conservação, que é uma lei da Natureza, obsta a que alguém estenda o pescoço ao
assassino. Enunciando, pois, aquela máxima, não pretendeu Jesus interdizer toda defesa, mas
condenar a vingança. Dizendo que apresentemos a outra face àquele que nos haja batido
numa, disse, sob outra forma, que não se deve pagar o mal com o mal; que o homem deve
aceitar com humildade tudo o que seja de molde a lhe abater o orgulho; que maior glória
lhe advém de ser ofendido do que de ofender, de suportar pacientemente uma injustiça do que
de praticar alguma; que mais vale ser enganado do que enganador, arruinado do que arruinar
os outros. E, ao mesmo tempo, a condenação do duelo, que não passa de uma manifestação
de orgulho. Somente a fé na vida futura e na justiça de Deus, que jamais deixa impune o mal,
pode dar ao homem forças para suportar com paciência os golpes que lhe sejam desferidos
nos interesses e no amor-próprio. Daí vem o repetirmos incessantemente: Lançai para diante
o olhar; quanto mais vos elevardes pelo pensamento, acima da vida material, tanto menos vos
magoarão as coisas da Terra.

Fonte: Fonte: KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo, ed 131, Rio de Janeiro: FEB, 2013

Na vida devemos nos esforçar por não criar inimigos, nosso papel é o de ser ponte para o fim da ignorância. Isso significa identificar os erros cometidos pelo atraso dos homens, usando de ponderação podemos esclarecer sem que tenhamos que criar inimizades. É nossa obrigação, quando o erro ocorre, ter claro o que a Lei divina propõe e nos posicionar, direcionando para uma melhor compreensão do que tem que ser feito. Num mundo de provas e expiações como o nosso, o mal campeia e precisa ser barrado, Jesus não propôs que não fizéssemos oposição ao mal que ser fazer, mas que não buscássemos vingança, na tentativa de reparar um mal que se tenha feito.

24 Visita(s) a esta matéria.