Oferta tuas mãos

Em uma população mundial estimada pela ONU em 8 bilhões de habitantes, a Terra se apresenta sobrecarregada de desafios e problemas.

Diminuída a maior parte dos óbitos causados pela pandemia, ante a disponibilidade de imunizantes e medidas preventivas, homens e mulheres não se viram livres das problemáticas psicossomáticas e emocionais, que prosseguem como um flagelo sobre bilhões de indivíduos.

A ansiedade está estampada no rosto de cada um. Surtos depressivos fulminam a alegria e a vitalidade de muitos. O medo se assemelha a um fantasma, povoando a noite e prosseguindo atormentando o dia de incalculáveis vidas.

Pânico ante a criminalidade galopante, angústia, aflições, solidão.

E os que podem e têm acesso a sofisticados ou precários sistemas de saúde buscam na medicina contornar as diversas problemáticas do cotidiano, mascarando suas sequelas e seguindo vivendo ou, pelo menos, sobrevivendo.

No turbilhão das enfermidades e dos transtornos do humor e da afetividade, alguns parecem exibir alguma imunidade maior a esses conflitos diversos. Conseguem administrar a própria vida com alguma regularidade, aconselham outros na busca de soluções para as problemáticas do dia a dia e surtam com menos frequência do que os demais.

Não são santos nem almas sublimadas, mas aparentam alguma estabilidade quando o desespero parece tomar conta de muitos. Nos agrupamentos familiares, agem apagando incêndio com suas dicas de equilíbrio, substituem o terapeuta nas crises de egos e conseguem arbitrar com serenidade certas disputas insanas entre irmãos consanguíneos.

Na religião, se fazem adeptos sem fanatismo, conseguindo dialogar com credos diferentes em clima de cordialidade e respeito, sem abusos no terreno minado do fanatismo.

Também carregam medos, mas sabem ocultar seus receios para ajudar os que temem continuar marchando em estradas tão confusas, como as do cotidiano.

No campo político, agem de maneira discreta, conclamando, quando chamados a opinar, sobre a bênção do equilíbrio e da sensatez, evitando que o extremismo inocule loucura e paixão nos debates, cada vez mais inflamados.

Nesses vasos raros, a Misericórdia Divina encontra alguma ressonância para socorrer a sociedade atormentada de nossos dias. Enquanto muitas antenas jazem sintonizadas em múltiplas estações ao mesmo tempo, gerando um caos na programação mental e emocional do ouvinte, a Prudência Celeste se vale dessas parabólicas de amor para espalhar boas notícias e otimizar a esperança.

Aqui, nenhum convite ou crítica para que deixemos de nos manter atualizados com as principais notícias do país e do mundo, adotando uma posição de alienação, mas difícil será desconhecer que o excesso de informações, o massacre das redes sociais, o posicionamento exacerbado nesse ou naquele campo ideológico têm sido a causa de muitos males da convivência, abrindo fossos sombrios de animosidade e intolerância entre irmãos e caminheiros da estrada do aperfeiçoamento comum.

E quando, em meio à ardência das paixões de qualquer natureza, conseguimos ouvir uma voz pacificada, nos damos conta de que estamos gastando energia à toa, fuzilando a harmonia e sobrecarregando a casa mental e emocional com uma voltagem acima de nossa capacidade de suportar.

Não seja de estranhar tanta gente alegando sofrer fadiga crônica, estresse que nunca acaba, insônia, alergias estranhas, pesadelos recorrentes, vertigens de causas desconhecidas. Muitas vezes, salvo as ocorrências de causa orgânica, são alertas do corpo, que emite um SOS antes que a casa caia.

E entre tantos postes tombados, outros com as lâmpadas apagadas e alguns em curto circuito, vislumbram-se poucos irradiando claridade suave, acolhedora, onde se pode achar luminosidade para espancar a noite medonha da alma.

No torvelinho desses embates diários, reflete sobre teu papel na família e na sociedade onde estás inserido. Nos últimos dois anos, buscaste ajuda de outrem ou fostes procurado por inúmeros parentes em desalinho?

Em teu templo religioso, estás sempre na condição de pedinte ou já consegues ofertar um pouco de tua harmonia interior aos que trafegam no corredor da loucura?

Não te esquives de ofertar uma palavra gentil. Mesmo contrariando o senso comum, muito intoxicado pela indiferença, auxilia quem não sabe mais de onde veio e para onde está seguindo.

O alto sabe que tens carências e dores, conflitos e incertezas, mas mesmo assim se vale de tua semente de mostarda para produzir alguma alegria e bom ânimo em quem já não tem o que perder.

Podendo, socorre.

Querendo, orienta.

Desejando, ampara.

Possuindo, reparte.

Do pouco que possas dar, Deus fará a multiplicação de pães e peixes para a massa de esfaimados e sedentos.

Quase sempre, o muito do mundo é quase nada para Deus, enquanto o pouco com Ele será sempre bênção incalculável nas vidas alheias, possuindo o clarão das estrelas e a suavidade do lírio do campo.

Oferta tuas mãos e o Senhor as fará instrumental de amparo e auxílio aos que vagam sem rumo e sem direção. E o maior galardão do cristão é servir e passar, calar e iluminar.

Autor: Marta (Espírito)
Psicografia: Marcel Mariano
Juazeiro, 18.10.2022

93 Visita(s) a esta matéria.