O universo é sua morada.

A natureza é pródiga em nos ensinar o quanto é capaz de muito produzir do pouco à sua disposição.

De minúsculas sementes nasce a floresta luxuriante.

Filetes de água, arrancados da fonte insignificante, fazem o grande rio, a dirigir-se para o mar.

Do ovo modesto, depositado no ninho, surge a ave de grande porte, singrando as alturas incomensuráveis.

A primavera é sempre a explosão de cores e flores, como se a natureza exaltasse a grandeza e a sabedoria de Deus em manifestações de beleza incomparável.

Em permanente harmonia, a Providência Divina cria e recria a vida sob variadas e infinitas expressões, dotando a morada planetária de possibilidades elásticas para que nada falte ao ser pensante que aí se movimenta nas trilhas da evolução. Desde os reinos mais primitivos aos estados mais avançados de consciência, o processo de aperfeiçoamento do psiquismo passa por incalculáveis fases de maturação, sempre ascendendo para estágios cada vez mais elaborados.

Tudo ruma para a perfeição.

Cada coisa se elabora à medida que passa a existir, ora se desintegrando numa aparência para ressurgir sob outra expressão.

Desde que renasce no carro orgânico, o Espírito imortal está fadado a buscar sua melhoria intelecto-moral de maneira contínua. Berço e túmulo são simples etapas do existir em planos diversos, onde experiências diferentes testam, aprimoram e lapidam as aquisições de natureza emocional do ser que pensa.

A dor aprimora.

O amor edifica.

O trabalho desenvolve.

As permutas consolidam.

E de etapa em etapa, o ser evolui para mais altos estágios de aprendizado, acrisolando valores que se somam aos já existentes. Por isso mesmo, as lições vão se sutilizando no carreiro evolutivo, sempre dilatando experiências que se amplificam ao infinito.

Chega um instante em que o filho das estrelas se dá conta que pode e deve ser ferramenta da Excelsa Vontade, se deixando operar por Deus para atingir as insondáveis disposições da Criação Infinita.

O ego se desintegra, unificando-se no self, que prepondera, alando-se como uma ave de luz aos espaços sem fim.
Deixam de existir limitações.

O universo é sua morada.

Cada ser um irmão.

Cada coisa posse transitória que não mais detém o sedento de expansão íntima.

Sensações tornam-se emoções superiores.

A paixão se transmuta em abnegação comovedora.

O amor abrasa o ser.

O Cristo íntimo desabrocha e o ser se faz co-criador em Deus e com Deus.

A transcendência triunfa sobre a imanência passageira.

Tudo é feito em nome do amor.

Nada mais atinge o ser que alcançou esse estágio de evolução. E quando mergulha na neblina carnal para missões de avultada importância, torna-se um avatar, atraindo as mariposas sedentas de luz ao seu redor.

Ministra a cada um o que cada um pode absorver.

Nada exige, nada pede. Tudo doa.

Oferta-se em holocausto comovedor.

Faz de situações aparentemente insignificantes momentos grandiosos.

Extrai lições de sementes desprezíveis.

Ilumina a noite moral de muitos perdidos nas sombras dos apegos.

Alimenta os famintos de esperança.

Reergue os caídos.

Adverte os hipócritas.

Ensina e corrige a ignorância.

Caminha no mundo como um estrangeiro e se faz cidadão do universo.

Onde esperam que fale, se faz silêncio eloquente. Onde aguardam dele o silêncio que conive, Ele distende a palavra libertadora, despertando consciências anestesiadas.

Geralmente seu convívio é curto, suas lições, porém, são perenes.

Tem poucos amigos e muitos adversários.

Nenhuma posse e a natureza ao seu lado.

Usa o chão do mundo como leito e as estrelas se tornam seu teto.

Quando todos anseiam por Sua permanência no solo das inquietações humanas, Ele regressa ao colo de Deus para acompanhar o progresso de cada um da vida mais alta.

Lições, lições…

Olha em derredor e verás a harmonia divina em majestosa sinfonia.

O vento nos ramos do olmeiro. A orquestra dos pássaros, a cantoria melancólica das almas em sofrimento, o murmúrio das águas do oceano.

Convite ao teu refazimento.

Pausa em tuas lutas.

Instantes fugidios de reflexões indispensáveis.

Minuto de oração.

Pai Nosso que estais no céu…

Autor: Marta (Espírito)
Psicografia: Marcel Mariano
Salvador, 09.09.2021

104 Visita(s) a esta matéria.