DIvaldo Pereira Franco, uma vida de caridade

Divaldo Pereira Franco foi o último filho do Senhor Francisco Pereira Franco e Dona Ana Alves Franco, precisamente o 13º filho, nascido aos dias 05 de maio de 1927 em feira de Santana. Desde criança não foi compreendido pela família nem pelos amigos, porque aos 4 anos já apresentava a manifestação das faculdades paranormais.

Em 1939, foi Presidente da Cruzada Eucarística, e nesta época pensava em ser seminarista. Cursou a Escola Normal Rural, sem ter o ginásio e diplomou-se em datilografia em 1943. Trabalhou como escriturário do IPASE (Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Estado da Bahia), mas como adolescente e jovem trabalhando nesta instituição foi encaminhado duas vezes para os serviços psiquiátricos, pois era visto como desequilibrado, pelas situações incompreensíveis que lhe aconteciam.

Em 1979, aposentou-se. Seu contato com o espiritismo ocorreu em 1942, e efetivamente tornou-se espírita e trabalhador em 1947. Nesta época, sofreu humilhações, foi insultado, desrespeitado; por ser trabalhador espírita, pois era visto como endemoniado e por isso foi excomungado pelo Bispo da Cidade, sofreu todos esses ultrajes, porque era espírita e queria ajudar as pessoas marginalizadas e crianças necessitadas.
Dando continuidade ao seu trabalho, Divaldo desde 1947 já viabilizava, através do centro CECR (Centro Espírita Caminho da Redenção) os atendimentos propiciando sustentabilidade, atendimento médico, odontológico, caritativo, sem nenhuma ajuda do Estado, só com os anos, a instituição adquiriu respeito e credibilidade e passou a ter convênios com os poderes públicos. O governo do Presidente da República General Eurico Gaspar Dutra (1883-1974) tentou implantar o Plano SALTE (atendimentos nas áreas de saúde, alimentação, transporte e energia), contudo o governo não obteve êxito, no entanto, como já dito, Divaldo já realizava esses mesmos atendimentos no centro CECR.

Ele é considerado um médium que possui pluri/multi faculdades paranormais. Sabemos que no geral os médiuns apresentam mais de uma faculdade mediúnica, contudo o que difere Divaldo é que ele se dedicou a várias delas com perseverança atípica. De 1947 a 1952, já havia emergido suas principais faculdades paranormais.
Ele possui reconhecimento público no Brasil e exterior, tem grande participação nas emissoras e retransmissoras de telecomunicações, rádio/tv e web; inspirou e inspira a constituição de instituições sociais, cristãs e espíritas, criador e incentivador do Movimento Você e a Paz.

Aos 63 anos de idade (1947-2010) Divaldo Franco já havia proferido 11.203 palestras e tinha percorrido 13.702.687km, isso equivale ter dado 342 voltas ao redor da terra, ou seja, ir à lua ida e volta 20 vezes. Ele proferiu palestras no Brasil em vários estados e regiões diversificadas e no Exterior. Sua mediunidade oratória o fez realizar palestras no mundo todo; de 976 (397 delas no estrangeiro); 7.793 no Brasil e 3.410 no Exterior (5 continentes, 64 países). Esses números têm muita representatividade, uma vez que abrange todo o país e fora dele. E ainda continua nesta caminhada.

Seu maior número de conferências ocorreu em seis cidades no Exterior, pertencentes a três Continentes (África, Europa e América). Participou de onze conferências em Departamentos da ONU. Também fez parte do Summit Millenium, grande encontro de todos líderes, viabilizado pela ONU.

Participou de 15 conferências como convidado em 14 salas acadêmicas das Universidades internacionais (das Américas, Europa e África). Assim como, participou de Seminários com cientistas internacionais.
Nas palestras de Divaldo encontramos muitas citações, seu discurso não é escrito e suas palestras são inéditas. Na Conferência no 2º Congresso Espírita Brasileiro, em 14 de abril de 2007, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, Brasília, na TVCEI – Conselho Espírita Internacional, ele fez 1009 (mil e nove) citações de 15 diferentes temas entre eles, temos citações da área científica, são citados fatos históricos, literários, filosóficos, mitológicos, religiosos em cinco idiomas, inglês, francês, latim, italiano e grego, utilizando vocabulário raro e incomum.
Este médium a partir de 1947 começa a fazer palestras e 1964 a participar de conferências e autografar seus livros psicografados, o que ocorre até os dias atuais. Essas palestras e conferências são criteriosamente registradas por ele, o que facilita contabilizá-las. “Trator de Deus”, esta é a expressão que Chico Xavier utilizava para se referir a Divaldo Franco, pois este abriu caminhos para o ressurgimento e expansão do Cristianismo e Espiritismo no mundo.

Divaldo divulgou o espiritismo através de Reuniões Públicas desde 1947 época da Fundação da CECR totalizando 8.821 reuniões; Reuniões Mediúnicas – 10.781; Atendimentos Fraternos – 36.729; Receituário Mediúnico – 1.331.164 consultas, que foram registradas por escrito e por cartas no CECR; Bioenergia (passe) um número de 1.214.135 atendimentos individuais, mas a partir de 2012 modificou a forma deste atendimento, não sendo mais individual, porque aumentou muito o número de pessoas interessadas; também divulga por meio de mensagens espíritas que objetivam consolar as pessoas, distribuídas sem nenhum ônus, no Brasil e no Exterior em idiomas diversos; em 1954 com 56 anos: 24.118.249 unidades/BR, e 1.943.000 /Exterior.; outras maneiras de divulgar a doutrina foi através do Círculo de Leitura Espírita (1964) com 46 anos: 471.890; utilizando diferentes mídias (discos, áudios e Vídeo Cassetes, CDs e DVDs) no Brasil e também no Exterior; divulgação por meio da Revista Presença Espírita (1975) e com 35 anos: 776.505 unidades/assinantes no Brasil e no Exterior. O número de livros vendidos por Divaldo chega a 8.766.443.

Esses meios de divulgação espírita utilizando as mídias e a imprensa, bem como essas quantidades são números que nenhum outro médium alcançou. Outra questão inédita, é que ele distribui gratuitamente, as mensagens que psicografa através da própria gráfica.

Essas variadas formas de trabalhar o conhecimento espírita-cristão, nos livros que psicografa, em suas palestras, fomenta recursos para manutenção financeira das atividades sociais/educacionais do CECR.
Divaldo foi o primeiro médium que editou e reeditou 62 livros num mês: desde 1994 a editora Leal atingiu a edição de 22 livros por ano psicografados por ele; em 2007 conseguiu atingir 54 reedições por ano somando-se mais oito novos títulos psicografados no ano. Inaugurou uma nova fase psicografando livros com temas atuais das Ciências Psíquicas abordando a Psicologia e a Psiquiatria; como Autores Espirituais tem Manoel Philomeno de Miranda e Joanna de Ângelis; espíritos considerados especialistas nessas temáticas. Esses livros são estudados nas universidades.

Ele foi o primeiro médium que manifestou ao mesmo tempo duas faculdades mediúnicas, a psicografia e a oratória; quando viajando para o fazer palestras no exterior, psicografou sete livros.
Quando viajou para fazer palestras, psicografou várias mensagens em diversos países abordando questões históricas e culturais, pois os conteúdos das mensagens eram próprios do lugar. Pelo que se sabe foi o único a fazer isso.
Por fim, vale lembrar da Casa de Jesus, em Salvador, entre 1953 a 1964, Divaldo juntamente com outros voluntários, acolheram 112 pessoas, atendendo aqueles que já estavam para morrer como idosos, doentes, carente e moradores de rua. Dentre essas pessoas que foram ajudadas, depois de algum tempo, descobriu-se que esses irmãos haviam ocupado cargos importantes na sociedade como de políticos.

Importante também lembrar do Leprosário de Águas Claras que em 1951 o médium passou a visitá-lo objetivando propiciar consolo espiritual e material aos enfermos da colônia hanseniana, doando mantimentos, assistência espiritual; entre outros tipos de apoio. Divaldo conheceu in loco todas as Colônias do Brasil e da América Latina.
Sem dúvida alguma, Divaldo Franco é como dizia Chico Xavier é o “Trator de Deus”, pois leva aos quatro cantos do mundo o conhecimento espiritual-cristão, com simplicidade, humor e sabedoria; além de ter dedicado sua vida a auxiliar milhares de famílias através do CECR (Centro de Espírita Caminho da Redenção) até os dias atuais, promovendo a paz e a esperança no mundo.

13 Visita(s) a esta matéria.